Primeira matéria sobre filme novo aqui no bluw, e fico muito feliz por fazer essa estréia com O Regresso (The Revenant), filme que, ao que tudo indica, vai finalmente dar o Oscar para o Leonardo DiCaprio, amado por nós, a internet. O filme também é co-estrelado por Tom Hardy, que já virou o mascote oficial aqui do site, então não tinha forma mais apropriada de começar.

O Regresso é um filme baseado na história real de Hugh Glass (Leonardo DiCaprio), um caçador de peles que está prestes a ter a pior semana da sua vida. Glass é atacado por um urso, é “abandonado” por seu grupo, mas consegue sobreviver e segue em uma jornada pra se vingar. Você provavelmente já ouviu falar muito dessa cena de ataque do urso, e realmente ela é muito bem feita, o realismo é impressionante. E olha que eu nunca vi um ataque real de urso, mas não tem como ser diferente daquilo. Só que essa não é a única cena marcante do filmes, existem outros momentos tensos pra caralho, e igualmente bons.

A atuação de Leonardo DiCaprio é excepcional, e olha que estamos falando de um personagem que se comunica com gemidos e grunhidos boa parte do tempo, mas cara, são alguns dos melhores “grrrrw”, “errrrm” e “arghhh” que você vai ouvir. Toda a expressão facial, a forma como os momentos de dor, agonia e esforço são mostrados é totalmente convincente, é quase como se o papel tivesse sido criado já pensando em premiações. E que se vieram, serão muito merecidas.

O outro lado da história, que pode até ser colocado como o vilão, é feito por Tom Hardy, vivendo o também caçador John Fitzgerald. Mesmo pra mim que sou comentarista especializado em Tom Hardy, as vezes era bem difícil entender o que ele falava (obrigado legendas), mas isso é até de certa forma proposital. Não tem como não elogiar também o trabalho do ator aqui, é outro exemplo de boa atuação. E não só isso, o personagem John Fitzgerald é bem rico, não é um vilão malvadão tradicional, é só uma pessoa que fica do outro lado dos acontecimentos, tem a sua opinião e suas próprias motivações, e tudo nele é bem coerente.

Dois pontos que precisam ser falados sobre o filme são ritmo e visual. O Regresso é um filme que tem o ritmo um pouco difícil de explicar. É um filme lento (e longo), mas ao mesmo tempo existem várias cenas fortes no meio, onde tem muita coisa acontecendo ali, o que acaba balanceando o ritmo. Só que em um certo ponto, pouco depois da metade, tudo acaba ficando muito demorado, e o filme chega a dar uma arrastada, acho que daria pra cortar uns 15~20 minutos do segundo ato sem se sentir culpado. Mas tem um fator que acaba compensando um pouco isso, que é o filme ser muito bonito. De verdade, o filme é MUITO bonito. Não gosto muito de entrar em análises mais técnicas por não ser a proposta daqui, mas as locações, a forma que a câmera funciona, as luzes, tudo aqui é absurdamente bem feito. E bonito demais.

Além desse problema no ritmo, minha outra crítica vai para um elemento quase sobrenatural do filme, mostrado por sonhos do protagonista. São cenas bem rápidas, e nem muito frequentes, não chegam a estragar a experiência do filme, mas pelo menos pra mim pareceram um pouco fora de lugar.

O Regresso é um filme excelente, não tenho nenhuma dúvida sobre isso. Cheio de cenas fortes e tensas, boas atuações, visuais absurdos, ele tem um começo muito bom, um final muito bom, e um meio bom, mas muito lento. É ideal para ser visto no cinema, onde você pode aproveitar bastante todo esses aspectos técnicos do filme. Ele vem agradando bastante à crítica especializada, tendo 12 indicações ao Oscar, incluindo melhor filme, melhor diretor, melhor ator coadjuvante e claro, melhor ator. E que dessa vez vai ser sua, Leonardo, tem que ser.

> Vale a pena assistir no cinema? Vale, além do filme ser excelente, compensa muito assistir em uma boa sala de cinema, pra aproveitar todo o incrível lado técnico de O Regresso. Só não vá esperando um filme muito agitado e com ritmo rápido.

> Seguro ver acompanhado? O filme tem algumas cenas fortes (violência), dava pra perceber a reação do pessoal mais sensível durante vários momentos. Não tem nada tão chocante, mas é um filme bem tenso e com cenas fortes.

> Trailer: