> O que é?

Headlander foi lançado no final de julho, e acabou passando um pouco despercebido por muita gente. Produzido pela Double Fine e publicado pela Adult Swim, já não daria pra esperar algo muito normal com essa combinação de empresas, e Headlander não decepciona em realmente trazer umas ideias bem bizarras.

O jogo é um metroidvania, ou seja, um jogo com movimentação em 2D, unindo exploração, plataforma e combate, que apesar de ser ótimo, é um dos gêneros mais saturados no mercado, principalmente entre os jogos independentes. Mas Headlander consegue trazer isso de uma forma diferente, aqui você controla uma cabeça flutuante, numa estação espacial, e consegue acoplar ela em basicamente todos os robôs que você encontra pelo caminho, pra poder controla-los por um período de tempo.

A história do jogo se passa no futuro de uma realidade alternativa, onde você (ou melhor, só sua cabeça) é aparentemente o único humano no universo, que é habitado por robôs – todos dominados por uma inteligência artificial do mal. Sua missão é justamente entender o que está acontecendo, já que você acabou de sair de um sono criogênico, e combater essa I.A., tudo isso com um clima totalmente inspirado nos filmes de ficção científica dos anos 70.

Ser apenas uma cabeça acaba sendo a mecânica mais importante do gameplay, já que é com ela que você irá se movimentar boa parte do tempo (o jogo não tem pulo), e você precisa ir trocando de “corpo” sempre para o combate, para utilizar habilidades específicas e para prosseguir no jogo. Como em todo metroidvania, existe um sistema de upgrades, que acontecem tanto com habilidades para a sua cabeça flutuante, como na possibilidade de controlar robôs mais poderosos, existindo até um sistema de cores pra indicar o “nível” deles, e para destravar portas e avançar, você vai precisar estar utilizando um corpo com uma cor específica.

As maiores críticas do jogo vêm da mira durante o tiroteio ser um pouco imprecisa, apesar do resto do gameplay ser ótimo, da história do jogo não ser lá muito interessante, mesmo que compensada com uma ambientação fantástica, e da falta de dificuldade que pode incomodar um ou outro jogador mais experiente. Porém, o jogo tem muito mais a oferecer do que os pequenos defeitos, como ter um bom mapa para explorar, uma duração bem acertada e um ótimo trabalho em toda parte audiovisual.

> Indicado pra quem?

Headlander é uma ótima opção para quem quer um jogo que ao mesmo tempo seja um metroidvania sólido, e traga inovações interessantes no pacote. E também pra quem sempre quis viver no mundo dos Jetsons, sonho de muita gente quando era criança. Pelo menos era o meu.

> Informações

  • Plataformas: PC / Playstation 4
  • Gênero: Metroidvania
  • Data de Lançamento: 26/07/16
  • Desenvolvido por: Double Fine
  • Publicado por: Adult Swim
  • Tempo médio da campanha: 7~8 horas
  • Preço: R$ 36,99 (Steam)

> Notas e Reviews

> Ví­deos

> Análise completa do jogo, em português, pelo canal Nautilus:

> Trailer oficial do gameplay:

> Primeiros 64 minutos do jogo, pelo canal PSX Brasil:

> Quick Look, em inglês, pelo canal Giant Bomb: