Guerreiro (Warrior como nome original) é um filme de 2011, estrelado por Tom Hardy (atual Mad Max), e que conta a história de dois irmãos (ex) lutadores, que eram treinados pelo próprio pai, mas depois de vários problemas na família, acabaram se separando. A história do filme mostra justamente o período desse “reencontro” entre eles.

Existem alguns elementos em filmes que me fazem gostar automaticamente, e com certeza ter um campeonato de luta é um deles. Aqui Tommy (Tom Hardy) e seu irmão Brendan (Joel Edgerton) seguem vidas separadas, mas ambos acabam participando do mesmo campeonato de luta, e daqueles que só um único vencedor vai receber o dinheiro. A família deles não é nenhum exemplo de felicidade, o pai dos dois (Nick Nolte), que treinava ambos quando ainda eram criança, é hoje um “ex-alcoólatra” tentando se aproximar dos filhos novamente, mas antes foi o responsável pela separação e por cada um ter seguido seu próprio caminho.

Tom Hardy está um animal nesse filme, seu personagem Tommy é um cara complicado, que mal fala, forte pra cacete, que o trapézio quase tampa a orelha, e luta de forma extremamente agressiva, terminando suas lutas em poucos segundos.

Já o irmão dele, Brendan, é um cara muito mais equilibrado, professor, casado, pai de duas filhas, mas precisa voltar a lutar pelo dinheiro pra família. Já foi um lutador mediano de MMA antes, e é o azarão da competição, está ali pela motivação e é daqueles que só desiste da luta se morrer dentro do ringue.

A competição segue um formato bem diferente do que temos hoje no UFC, são 8 competidores e todas as lutas acontecem na mesma noite, quem vence segue pra próxima, além de rolar várias coisas que hoje em dia nunca seriam permitidas, vale até lutar com membro quebrado. Sim, é legal pra caralho, e na verdade nem é tão distante da realidade de uns anos atrás, quem acompanhava os campeonatos de K-1 sabe que as coisas eram bem mais brutas.

As lutas são muito bem feitas, então quem curte vai adorar essa parte do filme também. A construção e motivação de cada um dos personagens é bem montada, então você realmente começa a torcer em cada luta, eu já estava aqui vibrando sozinho no quarto assistindo, espero que vocês também façam isso pra eu não me sentir mal.

Toda essa parte de vidas problemáticas, treinamento, superação e motivação acaba sendo bem parecida com outra franquia famosa, Rocky. Inclusive, uma boa definição pra Guerreiro foi dada pelo grande crítico de cinema, meu irmão, quando me indicou o filme: “é basicamente um Rocky de MMA”. E é mesmo, aceitei e roubei a definição.

Não é algo que redefiniu o cinema, nem que vai te fazer questionar a sua vida, mas Guerreiro é uma excelente recomendação pra quem ainda não assistiu. Também foi bem avaliado pela crítica, tendo 82% de aprovação pelos críticos no Rotten, e 92% pelo público, e é perfeito para quem gosta da franquia Rocky, ou de (bons) filmes de luta.

 

> Vale a pena assistir? Se você gosta de MMA, sim. Se não se importa muito, também, continua um bom filme. Dica pras meninas, veja com seu namorado, ele vai te amar mais depois da indicação.

> Tem no Netflix? Sim!

> Seguro ver acompanhado? Existem cenas bem realistas das lutas, então algumas pessoas podem achar muito violento, mas nada fora do que acontece no UFC. Sem cenas inapropriadas.

> Trailer: