O que é?

Uma das maiores musas do rock, Brody Dalle é uma cantora/guitarrista que começou sua carreira na banda punk The Distillers, que infelizmente acabou depois de lançarem o terceiro (e maravilhoso) álbum Coral Fang. Depois da separação da banda, Brody começou um novo projeto chamado de Spinnerette, que durou 3 anos e teve apenas um álbum lançado.

Até que em 2014, Brody Dalle investe na carreira solo e lança seu primeiro álbum, o Diploid Love, de forma bem despretensiosa, mas que acabou surpreendendo demais pela qualidade, sendo sucesso de críticas, e pessoalmente um dos meus álbuns preferidos naquele ano.

A vocalista é australiana, hoje com 37 anos e conhecida também pelos relacionamentos famosos, já que seu primeiro marido é o vocalista da banda Rancid, e após o término, ele se casou com Josh Homme, vocalista do Queens of the Stone Age, que estão juntos até hoje.

Desde o tempo dos Distillers até atualmente em sua carreira solo, Brody Dalle é um dos principais e mais forte nomes femininos dentro do rock.

Como é o som?

Varia um pouco de acordo com a fase da carreira, The Distillers era uma banda punk, mas a carreira solo já se afasta um pouco disso, e soa como um rock mais “puro”.

A voz da Brody é bem marcante, rasgada, sendo inclusive uma das minhas vozes preferidas dentro do rock (e não digo apenas entre vozes femininas). O álbum mais recente não chega a ser muito pesado em boa parte das músicas, tem até um lado bem suave, quase melancólico, mas geralmente interrompido por um verso mais forte.

O que ouvir?

Bom, essa indicação é mais focada na carreira solo dela, que tem apenas um único álbum lançado, então não é muito difícil escolher o que ouvir. Mas de qualquer forma, vale muito conhecer também os trabalhos anteriores, principalmente na banda The Distillers (que ainda vai aparecer aqui no bluw), então vou separar 5 músicas para você começar a ouvir, sendo 3 da carreira solo, e um de cada trabalho anterior.

Minhas 3 preferidas no álbum solo, sendo as duas primeiras as mais populares, e a terceira uma daquelas músicas que acabam perdidas no meio dos álbum, mas que é excelente e merece um pouco de atenção também.

Essa é da Spinnerette, que não é lá minha fase preferida da Brody, mas é legal conhecer todos os trabalhos.

Pra terminar, a mais famosa apresentação ao vivo da cantora, ainda na banda The Distillers, no Reading Festival. Boa apresentação, puta merda.