Sim, Esquadrão Suicida foi a maior estreia dos cinemas nesse mês, e apesar de ter lotado salas e arrecadado uma bela coleção de milhões de dólares, a opinião geral sobre o filme não chega a ser motivo de orgulho para os produtores. O filme recebeu notas baixas da crítica especializada (26% de aprovação no Rotten Tomatoes e média 6,8 no IMDb), e mesmo entre o público a opinião acabou sendo mais negativa também, mesmo uma parcela dele tendo gostado.

Eu também já fiz minha análise do filme, que você pode ver clicando aqui.

Mas, o que faria o filme ser melhor? Que mudanças poderiam pelo menos diminuir essas reações negativas do filme? Uma porrada, então pensando nisso separei uma pequena lista de pontos que poderiam ser melhor aproveitados no filme. Claro que é apenas minha opinião, e na verdade eu ia adorar saber a sua também, então só só usar os comentários no final da postagem e dividir seu pensamento com o mundo.

Vamos pra lista, e claro, TEM SPOILERS:

10- Aproveitar melhor a Katana

Um dos principais problema do filme é a má utilização dos personagens. Crocodilo tem o que, duas falas no filme inteiro? Só não falo que foi o cachê mais fácil da história porque levava umas boas horas na maquiagem todo dia. Mas pra mim, a maior perda é a Katana, que quando vi nos trailers eu pensei “que merda”, mas eu gostei bastante dela no filme, ou teria gostado se ela fizesse alguma coisa. É interessante ela estar ali sem ser realmente parte do esquadrão suicida, existe uma pincelada de história sobre ela, falando sobre a espada que aprisiona a alma dos adversários, incluindo a do própria marido dela que está presa lá, e é isso. O que surpreendentemente acabou a sendo uma das personagens com mais potencial do filme todo, foi também uma das mais negligenciadas. Queremos mais Katana, você não taca uma personagem dessa em um filme pra deixar de lado.

09- Capitão Bumerangue foi uma oportunidade perdida

Sim, ele é alívio cômico. Sim, ele tem o “poder” mais idiota de todos os tempos. Sim, o nome dele dá vontade de nunca mais assistir nada baseado em quadrinhos. Mas ele funcionou bem no filme, e apesar de ainda ter uma cena ou outra, é mais uma boa opção que foi deixada de lado. Dificilmente é um personagem que vai ter destaque em outro filme no futuro, então acabou sendo mais um bela oportunidade perdida de mostrar mais um personagem que o públicou gostou. Mais uma de várias, infelizmente.

08- El Diablo fora do óbvio

El Diablo foi o rei do clichê nesse filme. A velha história do “malvado” buscando redenção, do personagem poderoso que não quer usar os seus poderes pra poder existir o roteiro, do cara que perde a cabeça pra demostrar seu poder real quando é necessário. Porra, se for seguir esse caminho, que pelo menos tente algo diferente. Se é pro Amarra morrer logo no início do filme, então coloca o El Diablo pra discutir e estourar a cabeça dele, você teria uma puta demostração de poder, e iria construir uma sensação muito mais interessante de até que ponto vale a pena fazer o El Diablo lutar ou não. Além de reforçar a ideia de que são vilões aqui, coisa que fica totalmente borrada durante o filme inteiro. Ah, e sabe aquela cena dele chamando o pessoal de família, e querendo se sacrificar por eles? Então, só tira isso do filme. Obrigado.

07- Amanda Waller é pura enganação

Um dos comentários que mais vejo sobre o filme é como a Amanda Waller é fodona e uma grande vilã, mas só se for a Dick Vigarista da DC. Realmente é uma boa atuação, tão boa que enganou todo mundo, porque ela só faz merda do início ao fim do filme. A ideia de juntar vilões relativamente fracos pra combater um possível novo Super-Homem não faz sentido, a escalação dessa turminha é bem duvidosa (Arlequina não só não tem nada a acrescentar pra um time assim, como coloca tudo em risco por causa do Coringa), ela é completamente displicente com o controle da Magia, e a missão é resgatar ela mesma de uma merda que aconteceu por causa da formação dessa equipe. E depois ela ainda consegue ser capturada e sobrevive por motivos de roteiro sem sentido. Se é pra criar uma personagem forte, que não fique só na imagem e no discurso, faça pelo menos as ações dela serem inteligentes, ou que no mínimo façam sentido.

06- Tirem a Arlequina das cenas de ação

Arlequina é o destaque do filme, e é uma boa personagem, mas não pode ser muito explorada em cenas de ação. Ela não tem nenhum tipo de poder, e nem habilidades e treinamento pra ter qualquer bom rendimento nisso. Quer dizer, é só uma personagem comum com um bastão de madeira. Porra, nem de ferro é. Ai por exemplo, quando você tem o que seria a melhor cena de ação do filme, com o esquadrão matando os minions, aparentemente bem fortes já que nem uma equipe militar treinada estava dando conta sozinha, e na mesma cena você corta pra mostrar a Arlequina matando os mesmos inimigos batendo neles com um taco de beisebol, fica difícil se empolgar com aquilo, tira demais a credibilidade da cena.

05- Tirem a Magia do filme

Pois é, ficou bom não, seja com ou sem dancinha. Nem dá pra sugerir algo pra arrumar a personagem, ia dar alguma cagada de qualquer forma. Só tirem ela do filme, que usem a personagem em outro, mas em Esquadrão Suicida não funcionou não. E aquele irmão dela, tirem duas vezes, que porra foi aquela.

04- O que fazer com o Coringa

É a grande decepção do filme, e claro que a solução mais óbvia seria explorar mais o personagem, fazer ele aparecer MUITO mais, talvez até ser o grande vilão do filme. Mas ok, vamos pensar que não era filme pra isso, e que a ideia e missão aqui era puramente apresentar esse novo Coringa ao público, pra aparecer mais em outros filmes. Ainda assim, dá pra fazer isso de tantas formas melhores que a que foi feita que é difícil até escolher uma. Mas vamos lá, se é pra aparecer pouco, que apareça em apenas uma sequência do filme, mas algo com começo, meio e fim, não essa junção de cenas picotadas loucas que fizeram. Coringa podia muito bem ser apresentado mostrando essa ligação com a Arlequina, como realmente aconteceu a “transformação” dela, e pronto, faria sentido no filme, apresentaria o personagem, a gente conseguiria ver o que realmente queria, e depois ele podia até sumir do filme, só reaparecendo na cena final pra buscar a Arlequina da prisão. Eu ficaria muito satisfeito com a participação dele nesse filme, e muito mais empolgado pra ver de novo nos próximos.

03- Decidam o que o filme vai ser…

Não é segredo que o filme passou por vários problemas durante a produção. Na verdade nem foram exatamente problemas, mas sim mudanças forçadas de direção por causa de eventos como o sucesso de Deadpool e má recepção de Batman vs Superman. Mas isso não pode ser parâmetro pra muita coisa, não é porque deu certo (ou errado) com um, que isso vai se repetir com qualquer coisa que siga o mesmo estilo. Filme muito mexido, modificado, recortado e costurado nunca deu certo, e não ia ser agora que daria, se você tem um filme que segue uma linha, confie no seu taco e siga isso até a estréia, mudar filme poucos meses antes do lançamento é suicídio (ok, me desculpe por essa, vou me controlar).

02- … e não vendam o que ele não é

O maior elemento pra uma má recepção de algo é a decepção. Se um filme promete algo, pelos trailers, pela campanha de marketing, por tudo que é falado, e não entrega aquilo, o resultado final pode até não ser ruim, mas nunca vai agradar. Esquadrão Suicida foi um belo exemplo de marketing que é maior que o filme. Porra, até cenas que nem estão no filme aparecem nos trailers, e você consegue ver mais minutos do Coringa no YouTube do que no cinema.

01- Não façam o filme

E claro, tem a solução fácil também, que é deixar a ideia de fazer o filme na gavetinha, pelo menos até terem um bom roteiro pra isso.

+ Crítica do filme

E se você ainda não viu, pra completar o post, vou deixar a minha opinião geral sobre o Esquadrão Suicida, que na verdade é mais um papo de amigo sobre o filme:

E se quiser, fique a vontade pra deixar a sua opinião também, que é sempre muito bem-vinda, mesmo se for ruim.